Fake News

O menino crucificado na Ucrânia

Ao ler essa manchete (post) você:
1. Logo compartilha, revoltante!
2. Pergunta para quem lhe mandou onde a pessoa viu isso.
3. Checa os dados antes de tudo.

Essa notícia de 2014 foi compartilhada por milhões de pessoas, juntamente com um vídeo de uma “refugiada russa”. No vídeo a mulher se lembrava do caso em que os ucranianos crucificaram um menino de três anos, mas era tudo mentira. Essa notícia serviu de propaganda para o governo Russo, além de ter feito pessoas pegarem em armas e começarem um conflito contra o exército ucraniano!

Em maior ou menor escala as notícias falsas já fazem parte do nosso dia a dia e às vezes, na empolgação da manchete “bombástica” ou curiosidade imperdível, não checamos antes de compartilhar, podendo estar contribuindo para uma crise imensurável.

Foi pensando nisso que o próprio WhatsApp limitou o número de contatos com os quais você pode repassar uma notícia e diversas agências de checagem de notícias começaram a aparecer.

É dever de todos zelar pela segurança da informação e antes de repassarmos um fato, duvidar sobre a veracidade dele.

Você já recebeu uma “fake news”? O que fez!?