Evite golpes com o Pix!

O Pix caiu no gosto dos brasileiros, a estimativa é que a representatividade do sistema de transferências e pagamentos instantâneos do Banco Central já chegam a 30%, de novembro de 2020 a junho de 2021, o montante em movimentações superou R$ 441 bilhões.

Conforme os serviços financeiros avançam no ambiente digital é fundamental que aumentem também os cuidados por parte dos usuários para evitar cair em golpes e fraudes. Veja abaixo algumas medidas preventivas baseadas em recomendações do Banco Central e de nossos consultores.

Acesse o Pix somente no ambiente da sua instituição
Utilize apenas o site e aplicativo do seu banco para fazer pagamentos, cadastrar seu Pix ou realizar qualquer transação, e evite clicar em links recebidos via SMS ou por e-mails. Eles podem ser provenientes de sites falsos. E não passe nenhuma informação sobre a sua conta por telefone.

Wi-fi aberto sem proteção de senha
Não use wi-fi de shoppings, bares ou qualquer outro tipo de local público para realizar suas transferências. Pode haver vírus que colocam em risco seus dados.

Chave Pix versus senha
A chave Pix à qual deve ser direcionada uma transferência é uma coisa, senha para concluir o Pix é outra. Nunca passe sua senha para ninguém, a informação a ser compartilhada para a realização de uma transação é seu CPF, e-mail, chave aleatória ou número de telefone, conforme sua escolha na hora de cadastrar seu Pix no seu banco.

Atenção aos pagamentos por campo de proximidade, o famoso NFC
Alguns terminais para esse tipo de transação podem ter sofrido alterações para roubar dados. Se notar algo suspeito, opte por outra forma de pagamento para garantir sua segurança. Verifique com seu banco qual o limite deste tipo de transação. Deve ser de pequeno valor.

Confira o destinatário do Pix na tela de confirmação
No momento da realização do Pix, são sempre disponibilizados os dados pessoais do recebedor do pagamento e/ou transferência, como nome completo, parte do CPF, número da conta bancária e instituição financeira a qual está vinculada. Reforçamos o alerta aos usuários, para que nessas situações sempre verifiquem os dados do receptor do recurso financeiro.

Confirme se a solicitação de dinheiro por parente ou amigo via mensagens é verdadeira
Nunca transfira dinheiro a pedido de amigos ou parentes via WhatsApp, mesmo que eles venham de números conhecidos. A clonagem das contas de WhatsApp tem acontecido com frequência e o recomendado é sempre desconfiar, e confirmar por telefone ou pessoalmente a solicitação antes de efetuar o envio do dinheiro.

Cuidado com QR Codes falsos
O QR Code, sem dúvidas, facilita muito o dia a dia ao agilizar as transações por meio da captura do código. No entanto, certifique-se de que o valor que consta no QR Code e o destino do dinheiro estão corretos antes de realizar pagamentos e transferências.

Limites de transferências
Revise e altere os limites de transferência de Pix, TED e DOC, para a sua realidade operacional. Normalmente os bancos atribuem valores muito maiores do que você na prática utiliza.

Fiquem atentos!
Os golpes acontecem em sua grande maioria, via internet, por meio de e-mail, campanhas e até mesmo links falsos que simulam contato das instituições financeiras com seus correntistas, com o intuito de que o cidadão forneça seus dados no suposto cadastro. Outro golpe que se tornou frequente é a solicitação de dados pessoais, via contato telefônico, por falsos funcionários de bancos.

Contribuições: Banco Central e Equipe Núcleo.