Condomínio – Orietanções para Síndicos e Administradoras

Orientações gerais para síndicos e administradoras de condomínio:

  • É fundamental que se obtenha consenso entre os moradores, ou seja, que o objetivo de segurança preventiva seja de todos (ou da maioria). Buscar a conscientização dos moradores é um importante pilar de sustentação do plano de segurança;
  • É importante que se estabeleça uma relação com os condomínios vizinhos. Em grandes cidades, é comum que haja uma concentração de edifícios em uma mesma rua. Definição de formas de comunicação (rotinas e emergências), trocas de informações e treinamentos conjuntos, são algumas das medidas que podem ser compartilhadas em prol da segurança;
  • As regras, procedimentos, limites, utilização de áreas comuns devem ser formalizadas em um documento a ser aprovado em assembleia e amplamente divulgado entre os moradores e funcionários;
  • O controle de acesso deve ser uma das primeiras preocupações da administração do condomínio. Existem formas de procedimentos para diferentes situações (morador, empregado, funcionários, visitantes, prestadores de serviços eventuais e frequentes), mudanças, entregas em geral. Especial atenção deve ser dada ao condomínio em início de ocupação, onde há muitas reformas em andamento;
  • Eventos especiais, festas, condomínios clube, merecem atenção diferenciada no que se refere ao controle de acesso e circulação interna das pessoas;
  • A proteção do perímetro é outro item, entre as principais preocupações da administração. Formas de inibição e detecção devem ser consideradas ao planejar os recursos a serem utilizados;
  • O treinamento periódico dos funcionários, sejam eles terceirizados ou não, deve ser uma atividade constante. Recomenda-se que haja uma intervenção a cada quatro meses, pelo menos. Nos intervalos entre as atividades, devem ser observadas as falhas, dificuldades, pontos de melhoria e outras necessidades. Buscar a participação dos moradores, de forma orientada e organizada, também pode se traduzir em bons resultados;
  • Estabeleça uma rotina de verificação periódica dos sistemas de segurança eletrônica e de acesso. No mínimo, duas vezes por semana, o zelador, depois de treinado pelo(s) fornecedor(es), deve realizar a checagem e registrar em um formulário específico (ou livro de atividades);
  • Adotar a disciplina de que todas as ocorrências sejam registradas em um livro específico, bem como as entregas, mudanças, reformas, etc. Os desvios de função, desentendimentos, conflitos e quebra de regras também deve ser anotado, porém com o cuidado de não acusar nenhum dos envolvidos;
  • Tratar os funcionários com respeito e consideração, contribui para uma maior efetividade dos serviços.

Seja cidadão atuante na área de segurança, participe das reuniões do CONSEG – Conselhos Comunitários de Segurança.

Contribuições: Polícia Militar do Estado de São Paulo e Equipe Núcleo.